BEM VINDO!

Este é um espaço criado para que possamos trocar informações sobre:

- Psicanálise;
- Comportamento Humano;
- Patologias Psicoemocionais;
- Sentimentos: que constroem e que destroem;
- Relacionamentos;
enfim, toda abordagem que puder levar informação sobre melhor qualidade de vida
emcional.

Os textos não têm a pretenção de orientar, mas sim de poder oferecer uma alternativa de interpretação.
Sinta-se a vontade para opinar, contestar e discutir. Aqui, o que você pensa, será bem vindo!

Abraço,

Lindalva Moraes Pereira
Psicanalista –
SJCampos

Pesquisar este blog

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

SÍNDROME DO PÂNICO






Eu tenho uma definição bastante objetiva para definir esta patologia, que quem sofreu ou sofre da síndrome pode compreender rapidamente: “o pânico é o medo do medo natural da vida”, ou seja, viver é perigoso e quem desenvolveu a síndrome por alguma razão foi provocado a pensar nisto.

Estar sozinho é perigoso, mas estar no meio de muitos também é; sair às ruas é perigoso, mas ficar dentro de casa também é; comer peixe é perigoso, mas pão também é; e assim podemos enumerar centenas de atitudes e atividades de “risco”.


Estamos expostos ao “perigo de estar vivo” a partir do momento em que nascemos, e desde então, corremos o risco da morte, já que pra isto basta estar vivo. De tão elementar, seja a ser banal esta afirmação, mas é assim que funciona a instalação da síndrome: medo, medo e medo, muito mais inexplicável do que explicável.


A sensação de ameaça iminente, vinda de não se sabe onde, mas que paralisa, toma conta, impede.


O desencadeamento da patologia pode ter origens diversas: no passado, no presente, num trauma, num recalque, numa projeção, não há um padrão, cada pessoa terá seu histórico e com ele sua razão. O importante a saber, é que independente da origem, ela provoca uma falha no sistema neurotransmissor cerebral, que por sua vez será responsável pela manifestação dos sintomas: pensamentos aterrorizantes, sensação de perigo, taquicardia, medo de ficar só, sufocação, etc. E, portanto, muitas vezes, é necessário não só um acompanhamento terapêutico, mas também a administração medicamentosa, que auxiliará na inibição dos sintomas, enquanto paralelamente, a causa é tratada. Aqui, vale lembrar, que prescrição de remédios deve ser, impreterivelmente, feita por médicos; psicólogos e psicanalistas não possuem autorização para isto.


Através da clínica, foi possível identificar que o pior da síndrome não está nos sintomas, mas sim no sentimento de solidão de quem é acometido por ela. Nem sempre é possível, para quem sofre, explicar a dimensão do problema, bem como, nem sempre é possível à família, compreender.


O pânico não se explica sozinho, e quando há uma justificativa, do tipo pós traumático, fica ainda pior, porque as pessoas acreditam que com a causa esclarecida, os sintomas devem se auto dissiparem naturalmente, mas não é assim que funciona.


Há registros da Síndrome do Pânico desde a Idade Média, no entanto, não era classificado como uma doença e nem tratado como tal. O padecimento das pessoas obrigatoriamente tinha que ser oculto, para se protegerem de um julgamento injusto e um tratamento incorreto.


Hoje as pessoas que sofrem deste problema podem e devem procurar ajuda, mesmo através da rede pública, não é mais necessário sofrer no anonimato e sentir sua vida escoar dia após dia, sem poder usufruir dela.

3 comentários:

byClaudioCHS disse...

Medo...
Vontade de dar um grito,
ou calar-se para sempre
De ficar parado, ou correr
De não ter existido
ou deixar de existir (morrer)
Não há razão quando a mente não funciona
(redundante, não?)
Vão extinguindo-se as questões
mesmo sem respostas
Perde-se, neste estágio,
a vontade de saber.
O futuro é como o presente:
É coisa nenhuma, é lugar nenhum.
Morreu a curiosidade
Morreu o sabor
Morreu o paladar
parece que a vida está vencida
Tenho medo de não ter mais medo.
Queria encontrar minhas convicções...
Deus está em um lugar firme, inabalável,
não pode ser tocado pela nossa falta de confiança
Até porque, na verdade, confio nele
O problema é que já não confio em mim mesmo
Não existe equilíbrio para mentes sem governo
A química disfarça, retarda a degradação
mas não cura a mente completamente
E não existem, em Deus, obrigações:
já nos deu a vida, o que não é pouco,
a chuva, o ar, os dias e noites
Curar está nele, mas, apenas retardaria a morte
já que seremos vencidos pelo tempo
(este é o destino dos homens)
e seremos ceifados num dia que não sabemos
num instante que mira nossa vida
e corre rápido ao nosso encontro lentamente
(ou rasteja lento ao nosso encontro rapidamente?)
Sei lá...
Mas não sei se quero estar aqui
para assistir o meu fim
Queria estar enclausurado, escondido...
As amizades que restam vão se extinguindo
e os que insistem na proximidade
são os mesmos que insistirão na distância,
o máximo de distância possível.
A vida continua o seu ciclo
É necessário bom senso
não caia uma árvore velha, podre, sobre as que ainda estão nascendo.
Os que querem morrer deixem em paz os que vão vivendo
Os que querem viver deixem em paz os que vão morrendo
Eu disse bom senso?
Ora, em estado de pânico não se encontra bom senso
nem princípios, nem razão, nem discernimento,
nem força alguma
Torna-se um alvo fácil
condenável pelos que estão em são juízo
E questionam: onde está sua fé?
e respondo: ela estava aqui agora mesmo...
ela não se extingui, mas parece que as vezes se esconde de mim...
o problema é que, quando a mente está sem governo
(falo de um homem enfermo)
é como um caminhão que perde o freio
descendo a serra do mar...
perde-se o contato com a fé e com tudo o que há...
e por alguns instantes (angustiantes)
não encontramos apoio, nem arrimo, nem chão, nem parede, nem mão...
ah... quem dera, quem dera...
que a mão de Deus me sustente neste instante...
em que viver é tão ou mais difícil que conjulgar todos os verbos...
porque sou, neste momento
a pessoa menos confiável para cuidar de mim mesmo...
tenho medo, medo...
medo de perder o medo
de sair da vida pela porta de saída...
medo de perder o medo
de apertar o botão "Desliga"...

http://progcomdoisneuronios.blogspot.com

.

Psicanalista/ Psicoterapeuta disse...

Puxa! Se por ventura vc não sofre de pânico, parabéns! Porque sabe expressar exatamente, em detalhes, o que sente alguém que sofre. Lindo e triste poema.
Eu notei que sobra um sentimento (a solidão) e falta outro (a esperança). O Pânico tem cura! Acredite.
Com medicação, terapia e determinação ele pode ser eliminado pra nunca mais voltar.
Procure ajuda e volte com um poema de cura e encorajamento, tá!
Seja sempre bem vindo, conte comigo, este espaço foi criado pra isso!
Abraço,

Lindalva.

Anônimo disse...

parabéns