BEM VINDO!

Este é um espaço criado para que possamos trocar informações sobre:

- Psicanálise;
- Comportamento Humano;
- Patologias Psicoemocionais;
- Sentimentos: que constroem e que destroem;
- Relacionamentos;
enfim, toda abordagem que puder levar informação sobre melhor qualidade de vida
emcional.

Os textos não têm a pretenção de orientar, mas sim de poder oferecer uma alternativa de interpretação.
Sinta-se a vontade para opinar, contestar e discutir. Aqui, o que você pensa, será bem vindo!

Abraço,

Lindalva Moraes Pereira
Psicanalista –
SJCampos

Pesquisar este blog

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

PROGRAMA REALIZADO QUARTA - FEIRA 27 DE OUTUBRO: "DEPRESSÃO E SEUS DESDOBRAMENTOS" ENTREVISTA: LINDALVA MORAES - PSICANALISTA


 







QUE É DEPRESSÃO? É UMA DOENÇA?
É uma psicopatologia, ou seja, doença que afeta principalmente a ordem emocional, o que não significa necessariamente que sua causa ou seus sintomas se atenham apenas ao setor psicológico. Atualmente ela é contemplada e subdividida no CID 10 da OMS (ONU).

COMO É A DEPRESSÃO?
É uma doença sorrateira, que pode chegar sem precedentes ou aviso prévio. Pode se instalar aos poucos através de eventos psicossomáticos, ou de repente em decorrência traumática, por exemplo. Mas, o mais importante é não subestimá-la, já que é uma doença e deve ser tratada como tal.

EXISTEM TIPOS DE DEPRESSÃO?
Sim. A depressão é classificada inicialmente em:
a. Primária (não tem causa detectável) ou Secundária (referente a doenças físicas ou medicamentos);
b. Genética;
c. Unipolar ou Bipolar;
d. Leve moderada ou grave (de acordo com o grau de comprometimento funcional).

Em seguida vêm seus subtipos:

1. Depressão reativa ou secundária:
- físicas = AVC, hipo ou hipertiroidismo tumores cerebrais, ...;
- medicamentosas = anticoncepcionais, hormônios tiroidianos, corticosteróides, ...;
- emocionais = luto, tragédia, ...;

2. Depressão menor ou distimia (passa por fases melhores e piores, com duração de 6 meses a dois anos);

3. Depressão maior ou unipolar: sem causa aparente, decorrente por pré-disposição a doença, eventos psicossomáticos, ou um déficit funcional nos neurotransmissores (dopamina, noradrenalina ou a serotonina).

4. Depressão bipolar: primária e endógena (de origem interna).

QUANDO A PESSOA SÓ PENSA EM COISAS NEGATIVAS É UM PASSO PARA A DEPRESSÃO?
Sim e não. Se esta é uma característica isolada da personalidade de uma pessoa e ela administra isto como um mecanismo de defesa ilusório (que diga-se de passagem todos nós temos um pouco), ou seja, “sempre espero o pior porque se vier já estarei preparada e não sofrerei tanto” (bobagem, só vai sofrer com antecedência e sofrerá tanto ou mais se acontecer o tal pior) , aí não significa que está a caminho de um quadro depressivo, mas se este for um sintoma que junto com outros passa a caracterizar a tristeza do indivíduo... aí sim.

O DEPRESSIVO É UMA PESSOA INSEGURA?
Em geral sim, porque ele é acometido por sintomas alheios ao seu controle, que conforme a gravidade, o domina e o põe refém.



QUAIS OS SINTOMAS DA DEPRESSÃO?
 Os sintomas se dividem em dois padrões: depressão com retardo ou depressão agitada.
- Sintomas de humor;
- Sintomas Cognitivos: baixa auto estima, sensação de inadequação, pessimismo, desmotivação; generalização das atitudes negativas; exagero da seriedade dos problemas; processo de pensamento mais lento, ...
- Sintomas Motores: retardo ou agito psicomotor;
- Sintomas Somáticos: Insônia ou hipersonia; transtornos alimentares; perda da libido, sistema imunológico (menor produção de linfócitos)
Em suma: reclusão, apatia, pessimismo, transtorno alimentar, intolerância, irritabilidade, insônia ou hipersonia, baixa auto estima, sentimento de incapacidade.

 A PESSOA DEPRIMIDA SABE E TEM CONSCIÊNCIA DAS COISAS BOAS DE SUA VIDA?
O deprimido não perde a consciência em momento algum, mas é como se estas coisas não fossem suficientes para impedir seu adoecimento. Inclusive ele se culpa bastante por não se sentir capaz de valorizar tais coisas ou pessoas boas em sua vida.

ELA SEMPRE SABE OS MOTIVOS DA SUA DEPRESSÃO?
Como a maior incidência dos casos refere-se a depressão de ordem primária, ou seja, sem causa detectável, as pessoas não reconhecem de pronto tais razões. Mas para os casos de depressão de ordem secundária (traumática), eles supõem quais as causas.

PORQUE MUITAS VEZES NÃO CONSEGUE SAIR DESSA SITUAÇÃO SOZINHA?
Porque não se trata apenas de uma desordem psicoemocional, a depressão tem desdobramentos orgânicos, ou seja, há comprometimento no sistema de neurotransmissores, na maioria dos casos é necessária intervenção medicamentosa para inibir os sintomas e a pessoa ganhar fôlego emocional para identificar as causas.


AS DOENÇAS DEPRESSIVAS PODEM SE MANIFESTAR DE DIVERSAS MANEIRAS?
Sim, principalmente se levarmos em consideração sua classificação primária em unipolar e bipolar e depois os diversos tipos de sintomas.



HÁ PESSOAS QUE FICAM CALADAS DIANTE DAS SUAS
PREOCUPAÇÕES, OUTRAS CHORAM, OUTRAS CONTAM SUAS DIFICULDADES PARA TODO MUNDO. QUAL PODE TER DEPRESSÃO?
Na verdade qualquer uma destas, mas o mais usual no depressivo é o estado de  reclusão, mais calado, mais introspectivo, e principalmente a manifestação do choro.

PODEMOS FAZER UMA COMPARAÇÃO DIDÁTICA ENTRE A DEPRESSÃO E A ALERGIA? A ALERGIA É UM TIPO DE RESPOSTA DE NOSSO ORGANISMO À ALGUMA COISA CAPAZ DE IRRITAR. COM A DEPRESSÃO É ASSIM?
É bastante interessante a analogia, e de forma simplista podemos sim compará-las. No entanto, a depressão nem sempre é conseqüência de um agente invasor, por vezes ela acontece por razões puramente endógenas, ou seja, hereditariedade, pré-disposição ao desenvolvimento da doença, que é desencadeada por um gatilho mínimo.

A DEPRESSÃO PODE SE MANISFESTAR ATRAVES DA SÍNDROME DO PANICO?
Na verdade uma patologia pode levar a outra e vice-versa.Tanto as limitações da síndrome do pânico pode levar a um quadro depressivo, como a reclusão e o pessimismo decorrente da depressão pode levar ao pânico.

A DEPRESSÃO PODE APRESENTAR SINTOMAS FÍSICOS?
Sim e muitos, podemos inclusive podemos dividir por especialidade, alguns exemplos:
- Cardiologia: palpitações, taquicardias, dor no peito;
- Gastroenterologia: cólicas, diarréias, inflamação gástrica;
- Neurologia: formigamentos, cefaléia;
- Otorrino: vertigens, tonturas;
- Clínica Geral: falta de ar, sensação de desmaio, fraqueza, falta de apetite;
- Ginecologia: alterações menstruais;
- Ortopedia: lombalgias, dor na nuca.


CRIANÇAS DEPRIMIDAS, EM GERAL, COSTUMAM IR MAL NA ESCOLA, FICAM
REBELDES, IRRITADAS E NÃO SE MOSTRAM TRISTES?
Quando todos estes sintomas se apresentam, normalmente ela também se mostrará triste, na maior parte dos casos. Mas certamente que a criança também se refugia em seus próprios sentimentos e ela própria não consegue identificar ou demonstrar suas emoções.

A FALTA DE DISPOSIÇÃO PARA CONTINUAR, DIA APÓS DIA, A
ENFRENTAR OS MESMOS PROBLEMAS CORRIQUEIROS, FAZER AS
MESMAS COISAS, PARA SUPORTAR AS MESMAS PESSOAS, ETC. ESSE ESGOTAMENTO PODE LEVAR A DEPRESSÃO?
Sim e vice-versa, ou seja, se a vida da pessoa já se tornou enfadonha, o convívio com a rotina ou com as pessoas já se tornou penoso, pode ser justamente porque já se encontra em estado depressivo e não se sente mais capaz de administrar todos estes componentes desgastantes.

E A DEPRESSÃO PODE LEVAR AO SUICÍDIO?
Sim. Nem tanto nos casos de depressão unipolar, mas principalmente no transtorno bipolar de personalidade, onde há a coragem para tal ato.

COMO É O DIAGNÓSTICO?
Poderia ser mais fácil se houvessem mais profissionais de psiquiatria disponíveis, principalmente na rede pública. Muitas vezes os sintomas depressivos levam a um diagnóstico assertivo, o que não garante que o tratamento também o será. Ainda há certa reserva entre os médicos, não especialistas em saúde mental, em fazerem uso de anti-depressivos, optam por ansiolíticos, que terão uma atuação mais limitada sobre o problema.

TEM CURA?
Sim e não. As que ocorrem por eventos traumáticos, por exemplo, tem muito maior probabilidade de cura, no entanto, as de origem endógena, estarão suscetíveis a novos eventos. É necessário estar atento as manifestações emocionais para sempre.

E O TRATAMENTO?
Em casos agudos: psicofármaco com tratamento terapêutico, ou, se o quadro estiver no princípio, ainda sem comprometimento funcional, a psicoterapia pode resolver.